Startup cria estação de lavagem de mãos

09/05/2022

Afiliada da Universidade de Tóquio, a startup WOTA desenvolveu uma estação de lavagem de mãos envoltas em tambores de aço inoxidável, permitindo que sejam facilmente transportadas e instaladas, mesmo em casos de emergência. O aparelho possibilita higienização portátil com um sistema de qualidade e reciclagem de água descentralizada e de alta tecnologia e está sendo implantado em toda a capital japonesa. 

As estações WOSH podem ser instaladas em qualquer lugar onde haja uma fonte de energia disponível, sem necessidade de abastecimento de água, sistema de drenagem ou construção. Basta estar cheio e conectado antes de entrar em operação, pois a água é quase totalmente reutilizada no sistema, o que significa que 98% da água necessária para cada lavagem não é mais desperdiçada. Assim, apenas 20 litros de água são suficientes para mais de 500 utilizações. 

A água é mantida sanitária por uma mistura de filtro tradicional e purificação de cloro e tratamento de luz UV antibacteriano inovador que mantém as diretrizes de qualidade da água potável da Organização Mundial da Saúde, embora a WOTA não recomende que a água seja consumida. A qualidade da água é monitorada por um lote de sensores dentro de cada unidade que alimenta um sistema de garantia de qualidade controlado por IA que garante o uso seguro. Cada unidade possui um slot onde os usuários podem colocar seus telefones celulares para uma rápida descontaminação UV. Como os telefones celulares são os principais vetores de bactérias, isso evita que os usuários recontaminem suas mãos imediatamente após a lavagem.

Os tubos de aço inoxidável ajudam na manutenção da qualidade da água, pois as propriedades não porosas e resistentes à corrosão do material permitem que ele seja higienizado repetidamente sem perda de desempenho. As unidades WOSH já foram instaladas em mais de 200 locais em Tóquio, em locais tão diversos como restaurantes, hospitais e estádios. A WOTA acredita que a descentralização do abastecimento de água dessa forma pode apoiar a segurança e resiliência nas grandes cidades. “O Japão funciona em grande escala sistemas centralizados de abastecimento de água e esgoto”, diz Yosuke Maeda, CEO da WOTA. “No caso de um desastre urbano, como um grande terremoto atingindo a área de Tóquio ou chuva torrencial localizada, uma falha em qualquer local pode paralisar todo o sistema. Por outro lado, uma infraestrutura de água autônoma e descentralizada permite que os componentes do sistema sejam gerenciados individualmente em muitas pequenas unidades diferentes. Isso garante que os moradores possam ter o mesmo nível de acesso à água em tempos normais e em situações de emergência”. 

A WOTA já implantou sua tecnologia durante a resposta a desastres após o terremoto de Kumamoto de 2016, chuvas torrenciais de 2018 no oeste do Japão e inundações em Yatsushiro, província de Kumamoto, em 2020. A tecnologia pode ser usada para mais do que apenas lavar as mãos e forneceu chuveiros limpos para mais de 20.000 pessoas em abrigos de evacuação com seu sistema WOTA Box. Esses chuveiros de reciclagem de água permitem que 100 litros de água, normalmente o suficiente para dois adultos, sejam usados por mais de 100 pessoas.