ONU lança Plano para transição mais limpa

09/05/2022

A Organização das Nações Unidas (ONU) acaba de lançar um Plano de Ação por cerca de trinta organizações líderes que compõem a “UN-Energy”. O objetivo é catalisar a ação e o apoio em larga escala necessários para a transição para energia limpa e acessível para todos e emissões zero. Com a crise tripla de energia, de alimentos e financeira decorrentes do conflito entre Rússia e Ucrânia, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou recentemente que “podemos maximizar este momento para impulsionar a mudança transformacional que nosso mundo precisa”. 

Segundo o secretário-geral, o momento é de transformar essa crise em uma oportunidade, trabalhar para eliminar progressivamente o carvão e outros combustíveis fósseis e acelerar a implantação de energias renováveis e uma transição energética justa, para lidar com nossa crescente emergência climática. Uma Energy Compact Action Network também foi lançada para combinar os governos que buscam apoio para suas metas de energia limpa com os governos e empresas que prometeram mais de US$ 600 bilhões para apoiar esses compromissos. Coalizões foram anunciadas para apoiar o acesso e a transição de energia na Nigéria e na cidade de Santiago, Chile, mostrando o potencial da Rede, bem como para avançar ou expandir coalizões que apoiam o hidrogênio verde e um papel mais forte para as mulheres na liderança e nos benefícios da transição energética.

Liu Zhenmin, Subsecretário-Geral do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU e Secretário-Geral do Diálogo de Alto Nível sobre Energia de 2021, declarou: “O Roteiro Global que emergiu do Diálogo de Alto Nível exige esforços do sistema das Nações Unidas apoiados pela ONU-Energia, incluindo a criação de uma Rede de Ação do Pacto de Energia global com várias partes interessadas. Saúdo o lançamento de hoje do Plano de Ação da ONU-Energia e da Rede. Isso nos ajudará a sustentar o impulso, gerando ações concretas para energia limpa e acessível e emissões líquidas zero”. 

O Plano de Ação da ONU levou a uma compreensão mais ampla de como a energia sustenta toda a Agenda 2030. “Para que o Plano vingue é necessário que os compromissos assumidos na Alta- O Diálogo de Nível sobre Energia e a COP26 sejam traduzidos em ações no terreno -- especialmente em apoio aos mais vulneráveis", disse Achim Steiner, Administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e co-presidente da ONU-Energia. "O Plano de Ação de Ação da ONU-Energia é nossa resposta coletiva aos desafios globais de energia e clima de hoje. Como parte disso, o PNUD está intensificando seu trabalho de energia para ajudar os países a alcançar uma transição energética justa, apoiando-os para avançar no progresso do Desenvolvimento Sustentável Objetivos ao enfrentar a crise climática."

O Plano de Ação da ONU para 2025 estabelece uma estrutura para ação coletiva de quase trinta organizações da ONU e internacionais – a fim de alcançar a promessa maciça que fizeram no momento do Diálogo de Alto Nível. Em consonância com os marcos estabelecidos no Roteiro Global, até 2025, a ONU-Energia comprometeu-se a apoiar, facilitar e catalisar, entre outros, mais 500 milhões de pessoas para obter acesso à eletricidade e mais 1 bilhão de pessoas para obter acesso a soluções de cozinha limpa, bem como um aumento de 100% na capacidade de energias renováveis globalmente, nenhum novo plano de energia a carvão em andamento após 2021, 30 milhões de empregos em energia renovável e eficiência energética, além de dobrar  o investimento anual em energia limpa globalmente.

Para enfrentar esses desafios de grande escala, o Plano identifica sete áreas de trabalho: 1) intensificar a ação coletiva da ONU-Energia para fechar a lacuna de acesso à energia e garantir transições energéticas justas e inclusivas que não deixem ninguém para trás; 2) catalisar parcerias multissetoriais por meio da ampliação dos Pactos de Energia, inclusive por meio da Rede de Ação; 3) aumentar o impulso, liderando uma campanha global para a ação do ODS 7; 4) liderar pelo exemplo, tornando mais verdes as operações das organizações da ONU-Energia; 5) convocar um Fórum de Ação Global ODS 7 anual à margem da Semana de Alto Nível da Assembleia Geral da ONU em setembro; 6) informar a definição da agenda global, fornecendo insumos analíticos e orientação política para os principais processos intergovernamentais; e 7) alavancar o poder dos dados, digitalização e visualização para fortalecer o monitoramento e rastreamento.