Curitiba é uma das campeãs mundiais em reciclagem

14/10/2021

O Businesswaste.co.uk compilou uma lista das melhores (e piores) cidades em todo o mundo em termos de reciclagem. Hoje em dia, os cidadãos estão mais cientes e conscientes do que pode e o que não pode ter uma vida útil por meio do processo de reciclagem e - em países onde existem sistemas de reciclagem disponíveis - geralmente agem de acordo. Mas ao lado da ação individual está o que acontece em maior escala - em bairros, cidades ou países. As decisões tomadas por legisladores, planejadores de cidades e governos também afetam as taxas de reciclagem das cidades; e algumas delas em todo o mundo estão no topo da lista de reciclagem com maneiras interessantes ou inovadoras de garantir o mínimo desperdício possível. 

Os especialistas em coleta de lixo BusinessWaste.co.uk reuniram as quinze melhores cidades em todo o mundo para a reciclagem - incluindo algumas cidades pouco conhecidas - e cinco que ainda têm um longo caminho a percorrer. No topo da lista a canadense Vancouver aumentou a taxa de reciclagem de 40% para mais de 60% em pouco mais de uma década, com uma meta de 80%. A cidade torna a reciclagem parte da economia circular e de esquemas inovadores que recompensam as empresas que reciclam ou reutilizam materiais. Na sequência estão as cidades de Cingapura  e Copenhagen (Dinamarca), onde a cidade asiática gera pequena quantidade de resíduos de aterro sanitário por pessoa a cada ano - apenas 307 kg, em comparação com a média de 380 kg no resto da Ásia, de acordo com o Siemens Green City Index. A cidade tem a meta de reciclar 70% de seus resíduos até 2030 e aumentou a participação empresarial ao introduzir leis que tornam as empresas responsáveis pelos resíduos que utilizam. Já a escandinava tem taxa de reciclagem de 70% e se beneficia do apoio da população para a redução de resíduos (Circular Copenhagen). As coletas de porta em porta tornam isso o mais fácil possível para os cidadãos, e Copenhague está trabalhando para se tornar um município com desperdício zero até 2050. 

No quarto lugar aparece Helsinque (Finlândia), que apesar de lutar com a coleta de lixo durante os meses congelados do inverno, recicla 58% de seu lixo. A cidade tem aprimorado suas credenciais ecológicas - incluindo táxis verdes - nos últimos anos, introduzindo esquemas para reciclar resíduos de construção e adicionando um esquema de reciclagem de plásticos. A brasileira Curitiba está no quinto lugar e ganhou o título de Cidade Sustentável em 2010. A capital paranaense é ambientalmente focada no design, prioriza os pedestres e tem espaços verdes interconectados e - o mais impressionante - tem uma 'bolsa verde' que permite que os pobres da cidade troquem o lixo coletado (dois terços dos quais são reciclados) para alimentos frescos.

Do sexto ao oitavo lugar, cidades de diferentes regiões do mundo. A mais bem colocada é Nova Déli (Índia) que criou "eco-clubes" em mais de mil escolas, destacando a importância da proteção do meio ambiente para os jovens cidadãos e reforçando a cultura existente na cidade de "consumo cuidadoso" e políticas de redução de resíduos (delhi.gov). Já Los Angeles recicla quase 80% de seus resíduos, de acordo com a Columbia Climate School - mais do que a maioria das cidades da Europa. A cidade californiana tem um projeto de educação ambiental para concessões fiscais da empresa para a reciclagem, LA continua totalmente comprometida com a iniciativa de desperdício zero, enquanto a inglesa Leeds envia cerca de 40% de seus resíduos para aterros. O programa "Leeds by Example" instalou mais de 180 pontos de reciclagem nas ruas em toda a cidade, que quase triplicaram as taxas de reciclagem no centro da cidade para 49%. O esquema representa o maior esforço do Reino Unido para melhorar o nível de taxas de reciclagem de embalagens de alimentos e bebidas e é um exemplo que outras cidades do Reino Unido esperam imitar.

As duas cidades que fecham o Top 10 são Viena (Áustria) e Estocolmo (Suécia). A primeira é inovadora por manter sua gestão de resíduos inteiramente dentro dos limites da cidade, ao invés de enviá-los para outro lugar - e desde a introdução de usinas de reciclagem na década de 1980, contêineres de reciclagem para metais, plásticos e vidro são encontrados em toda a cidade. Embora a Áustria ainda tenha um longo caminho a percorrer no que diz respeito à reciclagem como um todo, Viena está melhorando a cada ano. Já Estocolmo é um exemplo excepcional de reciclagem na Europa, tendo passado por uma espécie de revolução. De acordo com a Sweden.se, 50% de seus resíduos foram transformados em energia em 2019 e 84% das latas e garrafas foram recicladas. A reciclagem de roupas também é uma grande parte da economia de Estocolmo, com a gigante da moda local H&M oferecendo reciclagem de roupas nas lojas da cidade. 

Entre a 11ª e a 15ª posição encontra-se Seattle, que usa o aplicativo chamado Recycle-It pela cidade que permite aos cidadãos verificar as datas de remoção de lixo e definir lembretes úteis. A medida ajudou a ampliar o envolvimento de Seattle com seu esquema de reciclagem obrigatório. Já a sul-coreana Songdo implantou uma série de tubos subterrâneos que coletam automaticamente os resíduos e os levam para uma instalação de processamento nas proximidades, o que significa que seus cidadãos não podem ter desculpa para não ajudar a Songdo a cumprir suas metas de reciclagem; a japonesa Kamikatsu é amplamente conhecida como a 'cidade sem lixo'. Devido à sua localização remota, os moradores locais separam seus resíduos em um número surpreendente de 34 categorias para garantir a redução de resíduos e a otimização dos mesmos sem a necessidade de transportá-los em processos de alto custo. A sueca Ekilstuna é uma das cidades mais ecologicamente corretas do mundo. O transporte público de biocombustíveis e as usinas de baixo carbono conferem a ela este título - mas o shopping center 100% reciclado da cidade, Retuna, recebe todos os bens doados pelos cidadãos e revendidos, criando uma economia verdadeiramente circular. Completando as 15 melhores, São Francisco está em sua taxa mais baixa, relatando que mais de 80% de seus resíduos são desviados por meio de redução, reutilização e esquemas de reciclagem a cada ano. Isso torna a cidade californiana uma das mais bem-sucedidas do mundo na redução de resíduos enviados para aterros sanitários, ao combinar incentivos para cidadãos e empresas, programas educacionais e sistemas de reciclagem habilmente projetados para o topo de nossa lista. 

As piores 

Mas e as cidades onde a reciclagem está em baixa na lista de prioridades? Apesar dos esforços globais para reduzir, reutilizar e reciclar, ainda existem muitas cidades onde a reciclagem ainda não se tornou verdadeiramente incorporada à cultura.

Entre as cidades que menos reciclam estão a Cidade do México, que, apesar de iniciativas de reciclagem lançadas, ainda não possui um sistema seguro e depende da gestão privada de resíduos. A cidade fechou seu maior aterro sanitário, onde mais de 70 milhões de toneladas de resíduos já estão enterrados e causando problemas ambientais, há quase uma década, levando à formação de lixões ilegais e ruas com um monte de lixo. Apenas 15% dos resíduos da cidade eram reciclados, deixando muito espaço para melhorias. Na sequência Pequim (China) e Calcutá (Índia), onde a primeira incinerou ou enviou, em 2017, para aterros sanitários quase todos (95%) os seus resíduos, de acordo com o Escritório Nacional de Estatísticas da China - um número chocante para uma cidade com tantos cidadãos. Apesar das taxas de reciclagem historicamente baixas, a proibição da China de importar resíduos de aterros de outros países em 2017 levou a melhores esforços para processar de forma responsável seus próprios resíduos, e a única maneira é pelos números de Pequim. Já a indiana Calcutá tem taxas de reciclagem abaixo da média mundial e recicla aproximadamente 60% de seus resíduos plásticos. A cidade de Calcutá está crescendo tão rapidamente que se esforça para implementar a coleta e processamento de reciclagem eficazes, levando a um problema crescente com aterros sanitários na área. É um problema que muitas cidades em rápido desenvolvimento enfrentam, que estão sob pressão ética e legal para cumprir metas globais cada vez mais importantes. 

A Big Apple Nova York, apesar das unidades de reciclagem existentes por toda a cidade, ainda produz muito lixo. De acordo com a Grow NYC, em 2019 os residentes da cidade produziram 12 mil toneladas de lixo por dia, que enviam em grande parte para aterros sanitários próximos. E fechando o ranking das piores cidades, Kuwait – que mesmo sendo incrivelmente rica e estar em um dos países mais ricos do mundo em termos de PIB, os cidadãos geram o dobro da média global de resíduos por dia e menos de 10% dele é reciclado. Movimentos populares para melhorar a reciclagem na cidade foram introduzidos, mas ainda há um longo caminho a percorrer.