CBA contrata nova linha de crédito rotativo

18/11/2021

A Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) contratou linha de crédito rotativo (Revolving Credit Facility - RCF) no valor de US$ 100 milhões para substituir a linha vigente da Votorantim S.A. de US$ 200 milhões, da qual a CBA é uma das partes. A operação reforça o compromisso da empresa com a redução de emissões de gases de efeito estufa, na medida que o KPI atrelado ao crédito prevê reduções anuais das emissões até 2025. "Além de ser uma fonte adicional de liquidez, a operação evidencia o comprometimento da CBA com mudanças climáticas, em convergência à implementação de suas metas de longo prazo divulgadas este ano. Nossa estratégia ESG prevê reduzir em 40% as emissões até 2030 (na média dos produtos fundidos, desde a mineração), tendo como ano base 2019.", explica Luciano Alves, CFO da companhia.

A nova operação de crédito rotativo tem prazo de cinco anos e foi realizada junto a oito instituições internacionais financeiras. Ela pode ser acessada a qualquer momento do contrato. A CBA deverá medir e reportar o indicador de emissões e, caso as metas definidas sejam alcançadas, terá um benefício do custo. Em contrapartida, caso não sejam, terá um incremento em seu custo anual.

A CBA contratou a Sustainalytics, referência global em fornecimento de pesquisas, classificações e dados ESG, para conceder um parecer (Second Party Opinion) sobre o escopo de seu financiamento vinculado à sustentabilidade. "A Sustainalytics considera o KPI de intensidade de emissões de carbono definido pela CBA como muito forte com base em sua materialidade e alinhamento com a estratégia ESG da empresa", disse Heather Lang, diretora executiva de soluções corporativas da Sustainalytics. "Além disso, a meta de redução da CBA é considerada altamente ambiciosa em relação ao desempenho histórico da empresa, benchmarking de seus pares da indústria e alinhada com um cenário bem abaixo de 2 graus Celsius. A Sustainalytics considera que os compromissos de reportes e medições assumidos estão alinhados com as expectativas do mercado global."

Além dos produtos financeiros, a CBA tem adotado melhores práticas globais para uma atuação ainda mais sustentável, como a Refinaria de Alumina em Alumínio (SP), uma das primeiras do mundo a ter 100% de capacidade de produção de vapor originado por biomassa em substituição a duas caldeiras que funcionavam a partir da queima de óleo ou gás natural. Com a implantação, a CBA reduziu em 43% a intensidade das emissões de gases de efeito estufa nesta etapa da produção. O projeto, implementado em março de 2020, tem parceria da ComBio Energia S.A.

Desde 2018, a CBA tem modernizado a tecnologia em suas Salas Fornos, visando a automatização do processo de alimentação dos fornos, o que permitirá a redução das emissões e aumentará a eficiência e a segurança da operação, além de gerar ganhos em produtividade e redução de custos. Com um investimento previsto de R$ 900 milhões entre 2021 e 2025, este projeto tem por objetivo replicar o modelo integrado de produção de alumínio de baixo carbono com custos competitivos e incrementará a produção em estimados 80 ktpa. "Do ponto de vista ambiental, outro fator primordial é nossa capacidade de geração de energia 100% renovável, suprindo praticamente a totalidade do consumo de energia elétrica da CBA, o que garante competitividade em custos, segurança de fornecimento, além de possibilitar a produção de um alumínio de baixo carbono", explica Alves.