Aumento na conta de luz impulsiona setor

16/11/2021

Segundo análise do Portal Solar Franquias, baseada em dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) e da Aneel – Agência Nacional de Energia Elétrica, a geração própria de energia solar em telhados de residências no Brasil saltou de 4,7 GW para 7,3 GW entre janeiro e novembro de 2021, o que representa um crescimento de 53%. “A evolução desse mercado confirma que cada vez mais os consumidores brasileiros tomam consciência da necessidade de buscar soluções sustentáveis para enfrentar as elevadas tarifas de energia elétrica e as mudanças climáticas”, explica o CEO do Portal Solar, Rodolfo Meyer.  

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que as tarifas de energia elétrica acumulam alta de 30% nos últimos 12 meses no Brasil. Somente em 2021, a alta é de 25%, muito em função da crise hídrica. E a expectativa é de mais reajustes em 2022, por conta do uso intensivo de termelétricas fósseis que já gerou uma conta de mais de R$ 5 bilhões para os consumidores pagarem no próximo ano. “A tecnologia solar fotovoltaica oferece aos consumidores a oportunidade de contribuir com a redução dos gases poluentes causadores das mudanças climáticas e transforma uma despesa com a conta de luz em um investimento com retorno em cinco anos”, afirma Meyer. “Após esse período, a energia se torna praticamente de graça”, completou.

Até agosto, a conta total de encargos (soma de todos os itens) a ser repassada nas tarifas do próximo ano está próxima de R$ 10 bilhões, de acordo com levantamento do portal, com base em dados preliminares da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Há ainda a possibilidade de contratação de um novo empréstimo de R$ 15 bilhões para poder arcar com todos os custos da geração de energia. Para 2022, a projeção é de uma aceleração ainda maior em razão da continuidade do encarecimento das tarifas de energia. Também o mercado solar deve ser impulsionado por questões regulatórias. Até o final deste ano, a expectativa é que o marco legal da GD (PL 5829/19) seja aprovado pelo governo, trazendo previsibilidade e segurança jurídica para o mercado. “Estamos em um ritmo de crescimento acelerado mesmo com as adversidades do cenário econômico nacional. Para 2022, nem mesmo a elevação dos preços dos equipamentos deverá parar a energia solar no Brasil”, afirmou Meyer.