09/08/2017 FAUNA

Reprodução inédita do Pato-mergulhão

Quatro filhotes do pato-mergulhão (Mergus octosetaceus) nasceram, pela primeira vez, em cativeiro, no Zooparque Itatiba, maior zoológico particular do Brasil, que integra o PAN - Plano de Ação Nacional para preservação do Pato-Mergulhão, desenvolvido por técnicos do ICMBio (Instituto Chico Mendes) juntamente com as instituições Terra Brasilis, Naturatins, CerVivo, Museu de Zoologia da USP e a Reserva Conservacionista Piracema. 
 
O objetivo é reproduzir esses animais para uma futura reintrodução na natureza, já que o pato-mergulhão é uma das espécies mais ameaçadas de extinção. Atualmente, existem menos de 200 animais em quatro áreas no Brasil. A espécie é encontrada apenas no Brasil, nas regiões da Serra da Canastra (MG), Patrocínio (MG), Chapada dos Veadeiros (GO) e no Jalapão (TO). O pato-mergulhão demora cerca de dois anos para atingir a maturidade sexual e é muito sensível. “Acompanhei de perto todo o processo de captura dos ovos em Patrocínio e na Serra da Canastra, em Minas Gerais, e no Jalapão, no Tocantins. Criar filhotes é sempre difícil, no entanto nosso esforço foi recompensado por esse ser primeiro nascimento do pato-mergulhão em cativeiro no mundo”, diz Alexandre Resende, veterinário responsável pelo protocolo de cativeiro da espécie e responsável técnico pelo Departamento Veterinário do Zooparque Itatiba.
 
“É um trabalho intenso, mas gratificante. Eu e a Paula Fabiana, meu braço direto na Maternidade do parque, ficamos dias de plantão para acompanhar o desenvolvimento do filhotinho dentro do ovo”, comenta Robert Frank Kooij, gerente geral do Zooparque, e um dos pioneiros na conservação de aves aquáticas no mundo. A meta é manter dez casais reprodutores, cujos filhotes posteriormente serão devolvidos para a natureza. “O Zooparque faz parte do PAN, com objetivo de assegurar a manutenção das populações e a distribuição geográfica do Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo, e também promover o aumento, tanto do efetivo populacional quanto do número de populações” explica Robert. O pato-mergulhão depende de águas limpas e transparentes, com corredeiras e vegetação nas margens, e com abundância de peixes, seu principal alimento. Ele captura os peixes ao mergulhar (daí a origem do nome), utilizando a visão e, por isso, é extremamente afetado pela degradação das águas. São considerados como excelentes indicadores de qualidade ambiental.