19/10/2015 EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Projeto Tamar comemora 35 anos

Com patrocínio da Petrobras, o Projeto Tamar acaba de completar 35 anos de existência. Neste período, o projeto conseguiu uma nova geração de tartarugas fêmeas, estudou e protegeu populações das cinco espécies de tartarugas marinhas encontradas no Brasil - tartaruga-cabeçuda, tartaruga-de-pente, tartaruga-verde, tartaruga-oliva e tartaruga-de-couro – ainda sob risco de extinção. Além disso, educou milhões de pessoas para protegerem esses animais, transformando até mesmo caçadores de tartarugas em seus protetores.

O Projeto Tamar atua em pesquisa, proteção e manejo das cinco espécies de tartarugas marinhas. A iniciativa começou com um grupo de estudantes de Oceanografia que percorria as praias do Brasil para saber onde as tartarugas desovavam e pesquisar sobre elas. Atualmente, o Projeto Tamar está em 25 localidades de nove estados brasileiros (Bahia, Sergipe, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina), onde há bases de pesquisa e conservação e centros de visitantes e são monitorados 1.100 quilômetros de costa e ilhas oceânicas.

Ao longo de 35 anos, a equipe do Projeto Tamar capturou cerca de 34.500 tartarugas marinhas para coleta de sangue e amostras de tecido que subsidiaram pesquisas genéticas e sobre crescimento e para marcação com anilhas de metal, de modo a aferir taxas de sobrevivência e novas aparições. Protegeu 307.300 ninhos de tartaruga marinha, transferindo mais de 70 mil de lugar por se encontrarem em local de risco. Soltou ao mar 20 milhões de filhotes de ninhos monitorados. Reabilitou e devolveu à natureza 2.900 tartarugas marinhas encontradas encalhadas vivas. Salvou outras 17.600 de redes de pesca. Ações como essas contribuíram para o nascimento de uma nova geração de tartarugas marinhas fêmeas. "A quantidade de ninhos de tartarugas-oliva aumentou 11.720%; a de tartarugas-de-pente, 3.728%; a de tartarugas cabeçudas, 1.165%; a de tartarugas de couro, 592%; e a de tartarugas verdes, encontradas em Fernando de Noronha, aumentou 451%", conta o oceanógrafo, fundador e coordenador do projeto, Guy Marcovaldi.

Para conhecer rotas migratórias de tartarugas adultas e filhotes, o Tamar monitorou 180 exemplares via satélite (telemetria satelital), os quais receberam transmissores para possibilitar a coleta de dados. Os estudos, desenvolvidos em parceria com a Universidade da Flórida, mostraram que, em geral, tartaruguinhas que nascem no Brasil nadam na direção das correntes marinhas, ao contrário do que ocorre com as do Golfo do México. As brasileiras adultas, por sua vez, segundo Guy, já nadaram para as costas das Américas e da África, sendo vistas, por exemplo, no Gabão e na Guiné Equatorial.

O Projeto Tamar contribuiu para geração de emprego e renda. "Mantemos 473 empregos diretos, 103 indiretos mediante o apoio a grupos de artesãos, mulheres em sua maioria, que fabricam itens para as lojas do Tamar, e geramos cerca de 1.500 oportunidades de trabalho e profissionalização, anualmente, em atividades vinculadas à proteção de tartarugas marinhas", diz Guy Marcovaldi. Essas atividades são desempenhadas nas bases de pesquisa e conservação, nos centros de visitantes e nas lojas do Tamar e em confecções de camisetas para a comercialização nas lojas. O projeto ainda conta com um amplo banco de dados informatizado, o Sitamar, que reúne todas as informações científicas produzidas pelo Tamar no Brasil.

Veja também

16/11/2017
SAÚDE PÚBLICA | OMS e UNFCCC renovam parceria
09/11/2017
SOS MATA ATLÂNTICA | Ampliação de parceria com ICMBio
09/11/2017
MEIO AMBIENTE | Cortes no Orçamento atingem UCs
06/10/2017
DECLARAÇÕES AMBIENTAIS | Brasil e Suécia fecham parceria
19/09/2017
MEIO AMBIENTE | Mata Atlântica e ICMBio gerenciam UC’s
29/08/2017
MONITORAMENTO AMBIENTAL | São Paulo adotará imagens de satélite
29/08/2017
ÁREAS DEGRADADAS | Um instituto para ajudar na recuperação