O caminho sem volta

24/05/2021

Por Leo Cesar Melo *

No mundo todo, as empresas estão cada vez mais atentas e empenhadas em funcionar guiadas por critérios ESG (melhoras práticas ambientais, sociais e de governança). Um claro demonstrativo disso são dados de um relatório produzido pela Bloomberg. Eles indicam que, atualmente, o mercado de ativos ESG está acima de US$ 30 trilhões. E que nos próximos quatros anos a estimativa de investimentos é de aproximadamente US$ 53 trilhões. 

No Brasil, seja pela visibilidade que temos por ostentar a maior floresta do planeta ou pela pressão exercida por investidores internacionais, cientes de se adaptar às novas necessidades impostas pelo mundo do desenvolvimento sustentável, nossas companhias também começam a responder de forma significativa a essa tendência. De acordo com um levantamento da Morningstar e Capital Reset, os fundos ESG no Brasil captaram R$ 2,5 bilhões em 2020. 

Além disso, o movimento tem criado oportunidade de novos negócios. Um mapeamento realizado pela Distrito, plataforma de inovação para startups, corporações e investidores, mostra o crescimento de empresas de tecnologias com soluções ESG no Brasil. Já são mais de 740 startups voltadas quase que uniformemente entre as três categorias (ambiental, social e de governança), ainda que mais de 70% do volume investido tenha ficado com a categoria social. 

Como se percebe, a demanda por serviços e produtos com menor impacto social e ambiental é cada vez maior e nesse momento as empresas guiadas por esse propósito se destacam. Justamente por isso temos executado uma série de projetos para indústrias e setores de infraestrutura que, mais do que serem economicamente viáveis, colocam a saúde do meio ambiente e das pessoas no cerne da engenharia. 

Na Allonda, a responsabilidade com as pautas ESG é enorme porque, além de cuidarmos dos nossos próprios indicadores e iniciativas, a companhia impacta diretamente na agenda ESG de seus clientes. Portanto, aspectos sociais, ambientais e de governança fazem parte do nosso negócio. Nossa atuação é um demonstrativo de que a transformação do mercado da engenharia através da sustentabilidade já começou e é um caminho sem volta.


*
 Leo Cesar Melo é CEO da Allonda, empresa de engenharia com atuação em soluções sustentáveis