29/01/2019 ACIDENTE

Lama avança a quase 1 km/h

O governo mineiro está realizando o monitoramento do deslocamento da pluma de rejeitos que vazou após o rompimento da Barragem B1, da mina Córrego Feijão, em Brumadinho. Até segunda-feira, a mancha já havia se deslocado 57 km do local do rompimento e, segundo informado, a velocidade vem se reduzindo e já está abaixo de 1 km por hora. 
 
O monitoramento também contemplará parâmetros básicos de qualidade de água (temperatura, oxigênio dissolvido, turbidez e pH), a série de metais, além da concentração de sedimentos. A área monitorada vai do local do acidente até o reservatório da Usinas Hidrelétrica de Três Marias. 
 
Além da qualidade da água também deverá ser monitorado a geoquímica dos sedimentos, com frequência de 15 dias, análise que será feita pela CPRM, em 29 pontos. O objetivo é comparar os dados geoquímicos coletados com aqueles anteriores ao desastre. 
 
O Igam informa que “as outorgas de direito de uso de recursos hídricos e cadasrros de uso insignificante, regularizados junto ao Estado, que se situam nos cursos d´água impactados pelo fluxo da pluma de rejeitos, poderão ser afetados em quantidade e qualidade da água em decorrência do carreamento dos rejeitos”. 

Veja também

06/02/2019
BARRAGENS | Criado grupo para melhorar segurança
06/02/2019
ACIDENTE EM BRUMADINHO | Ibama e ICMBio avaliam danos
06/02/2019
SOS MATA ATLÂNTICA | Qualidade ruim do rio Paraopeba
06/11/2018
ALUNORTE | Ibama suspende embargo a área
22/02/2018
BARRAGENS DE REJEITO | IPT oferecerá curso de especialização
16/08/2017
ACIDENTE | Ibama recusa recursos da Samarco