25/09/2019 PANTANAL

Incêndio ameaça projeto Arara Azul

Um incêndio iniciado em 9 de setembro em uma fazenda vizinha já destruiu aproximadamente 60% do Refúgio Ecológico Caiman, em Miranda (MS), local que abriga a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), sede dos trabalhos de campo do Projeto Arara Azul. O projeto é comandado pela bióloga Neiva Guedes e completa 30 anos de atividade em 2019. O projeto tem apoio da Fundação Toyota do Brasil e da montadora japonesa. 
 
Por conta do clima seco, o período de reprodução das araras está atrasado. Neiva não acredita em uma melhora para a reprodução da espécie ainda em 2019. A equipe do projeto Arara Azul está atuando junto às equipes do Refúgio Ecológico Caiman e auxiliando o trabalho de mais de 150 profissionais, entre funcionários, vizinhos, bombeiros e demais órgãos ambientais, para combater o fogo, durante 24 horas por dia. “Neste momento, o mais importante é conseguir conter o fogo, para que não destrua a RPPN Aracy Klabin, com ambientes naturais protegidos há mais de 20 anos”, salienta a bióloga, que acredita ser necessária uma avaliação mais crítica do impacto ambiental após o término do incêndio. 
 
Pessoas físicas e jurídicas podem ajudar os projetos de conservação de espécies com base de campo no Refúgio Ecológico Caiman. Os interessados podem realizar doações no site do Instituto http://institutoararaazul.org.br/como_ajudar. As doações são a partir de R$ 1 e o projeto aceita também materiais e equipamentos como laptops, câmeras, cartões de memória, binóculos, GPS, entre outros. Neste caso, os doadores devem entrar em contato através do e-mail: contato@institutoararaazul.org.br.