02/05/2019 LIXO ELETRÔNICO

Coleta de 2,5 mil t em dez anos

A Coopermiti já recolheu quase 2,5 mil toneladas de lixo eletrônico em dez anos de atividades na cidade de São Paulo. A cooperativa afirma que isso representa 8.300 m3, equivalente a 8.300 gaiolas de armazenamento cheias de eletrônicos que não foram parar no lixo comum e, consequentemente, em aterros sanitários - o pior destino para esses equipamentos, porque passam a ser perigosos quando expostos ao sol e à chuva, uma vez que podem liberar substâncias como mercúrio, cádmio, cobre, cromo, entre outros. O Brasil produz mais de 1,4 milhão de toneladas de lixo eletrônico por ano, o que corresponde a cerca de 36% do volume da América Latina. 
 
Atualmente, a Coopermiti recebe em sua sede os equipamentos e ainda agenda retiradas com caminhões nos casos de grandes quantidades. A cooperativa também possui uma série de parcerias com shoppings, parques, UBS e subprefeituras para facilitar o descarte. A cooperativa realiza ainda trabalho de conscientização para todas as idades e mantém ativo um museu de antiguidades que foi montado pelos próprios cooperados com objetos descartados pelos parceiros – tais como, Atari, Máquina de Escrever, Vitrolas, televisores de tubo, entre outros.
 
A Coopermiti conta com diversos pontos de coleta espalhados pela cidade que podem ser o endereço final de equipamentos eletrônicos, tanto para empresas quanto para os cidadãos - que cada vez mais estão conscientes em relação ao descarte. Para encontrar o ponto mais próximo ou agendar a retirada, basta acessar o site www.coopermiti.com.br

Veja também

03/06/2019
ATERRO ZERO | General Mills implanta programa
03/06/2019
RESÍDUOS SÓLIDOS | Universalização depende de R$ 7,6 bi
13/05/2019
RESÍDUOS SÓLIDOS | Portaria prevê recuperação energética
13/03/2019
RESÍDUOS SÓLIDOS | MMA e Abetre assinam acordo
07/03/2019
LIXO ELETRÔNICO | Cetem lança nova edição de manual
21/01/2019
RESÍDUOS PLÁSTICOS | Aliança contra descarte em oceanos